você está em:

 


 

Greve do ABC: 30 anos

publicado em 29/04/2010

Imagem SlideShow: 

"Na greve de 80 nós sofremos a intervenção logo, 17 dias depois. O governo imaginava que prendendo a gente a greve ia acabar. E foi pura ilusão. Ele prendeu e a greve cresceu. Por quê? Porque o pessoal estava tão organizado em bairros que a gente conseguia conversar com a categoria mesmo não indo na porta da fábrica porque a gente não trabalhava. Foi em 80 que surgiu a frase dessa vez, a onça vai beber água. É um ditado popular. Era uma forma de dizer que dessa vez iríamos até as últimas conseqüências (...) Na greve de 80, os militares eram meio burros. Na verdade quando eles decretaram a ilegalidade da greve, a greve ia acabar. Veja: se não tem negociação, chega uma hora que você não tem mais o que falar para a categoria. Você pode fazer isso dois dias, três dias, quatro dias. Mas dez dias, convocando assembléia sem ter o que falar, sem ter negociação?! A greve vai acabando. O que salvou aquela greve foi os militares decretarem a nossa prisão. Por incompetência. Eu já não tinha o que falar na assembléia depois de 17 dias. O que mais tinha para falar? O patrão não sentava para negociar, o governo não negociava. O que tinha para falar? Eles prenderam, conseguiram criar um clima de guerra. Um clima em que os que ficaram em liberdade conseguiram provar que era possível fazer o movimento mesmo com a maioria da diretoria estando presa. A diretoria não era tão importante se a categoria estivesse organizada. E a categoria estava organizada, estava preparada para a greve."

 Luiz Inácio Lula da Silva

 íntegra do depoimento dado ao site do sindicato dos Metalúrgicos do ABC - ABC de luta! Memória dos metalúrgicos do ABC

 

Tags:  




 

Partido dos Trabalhadores


FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO
Rua Francisco Cruz, 234 - Vila Mariana - CEP 04117-091 - São Paulo - SP - Brasil Fone: (11) 5571-4299 - Fax (11) 5571-0910